Retrospectiva 2017

By campodegelo

O ano começava em Da Nang, Vietnam, de uma forma um pouco diferente do usual.

Depois de estudar durante um semestre na Coreia do Sul, era o momento de explorar novas localidades, e o sudeste asiático foi o escolhido para tal.

Por seguir um calendário diferente, o Tết  (Festival do Primeiro Dia), ou Ano Novo Vietnamita é comemorado no primeiro mes do calendario lunar (algo entre 19 de Janeiro e 20 de Fevereiro).

Na virada da noite do dia 31 de Dezembro para o 1o de Janeiro, nos postamos perto da ponte em forma de Dragão (símbolo da cidade), mas nenhum fogo saiu dele, ou de qualquer canto.

Junto com outros mochileiros, brindamos o que estava por vir, e também por um futuro tão bom ou até melhor que o recente passado.

Vocês sabem, essas baboseira de Ano Novo, vida nova!

Esqueçam isso! Façam tudo agora. Por que postergar ainda mais?

Ano que vem vai haver uma única mudança: o dígito da unidade, de 7 para 8.

Mas chega de devaneios.

De Da Nang fomos para Hue, com todos os seus templos, palácios dos periodo imperial e ruínas. Outro dia partimos para Hoi An, com seus prédios coloniais franceses misturados com casas chinesas, e milhares de lojas e alfaiatarias.

Admito que senti falta do calor vietnamita neste ponto, fosse pela incessante chuva ou pelo amontoado de turistas estrangeiros.

De lá rumo ao sul, para a cidade de Ho Chi Minh, ou Saigon se preferir.

Caótica com muitas motocicletas, templos, comercios, pessoas amáveis e boa comida.

Era chegado o momento da Fernanda (minha irmã) retornar `a Europa, e do rumo das minhas viagens mudar drasticamente.

O que era para ser um mochilão sozinho pelo Sudeste Asiático durante 2 meses, tornou-se em uma das melhores experiências já obtidas, graças às pessoas que conheci no caminho e também pelas caronas incentivadas pelo ânimo inabalável dos meus novos amigos poloneses, que durante 1 ano peregrinaram com seus dedos em riste até a Nova Zelândia.

Graças à eles comecei a escrever mais, publicar mais, a me jogar (ainda mais) no mundo, e a temer ainda menos os desconhecidos.

Hei de dizer que provavelmente este texto não estaria sendo escrito se não fosse por eles.

Seria muito dificil tambem listar todas as pessoas que surgiram na minha vida durante esse ano. Se somadas com as relações que se fortaleceram, e até com as que se afastaram um pouco, eu estaria fazendo desfeita com alguns, e minha memória falha provavelmente esqueceria de bons momentos. Portanto, nomes nao serao mencionados.

Além disso, visitei muitos amigos pela Europa, e outros vieram à minha casa em Berlim. Eu acho que já mencionei que não gosto de convidados, certo? Por que eu os odeio? Clique aqui para saber!

Um dos momentos mais memoráveis do ano ocorreu em uma pequena cidade vietnamita, onde junto com um amigo, fui seguido por crianças que ficaram maravilhadas pela bandeira do Vietnam como estampa na minha camiseta. Acho que nunca dei tantos “oi” como naquele dia.

Depois de conhecer meus incentivadores em Can Tho, até tentamos nos separar, quando fui para Phu Quoc, e eles adentraram o Cambodia, mas o destino (sempre pregando peças) nos uniu novamente ao acaso em Sihanoukville, e junto seguimos por todo Janeiro.

Inúmeras caronas, risadas, temples, refeições baratas e cervejas para renovar as energias pela região depois, era hora da despedida. Lembrem-se: Nunca diga adeus, mas sim um “até logo!

Eu deveria entrar em Myanmar e eles seguiriam para a Malásia, e por mais que eu tenha adiado esse dia, eu não poderia cancelá-lo.

A antiga Birmânia me brindou com os mais lindos nasceres e pores do sol já vistos. Um país que definitivamente ganhou meu coração. 

De lá, voltei à Bangkok para pegar o vôo de retorno ao Brasil, com breves escalas em Doha e Líbano, onde conheci um casal que me perseguiu pelo mundo mais adiante.

Família, amigos, guloseimas diversas na terra natal e rumo à mais um semestre de estudos em Berlim, o último, concluído com sucesso e um temor: as aplicações para estágio.

Me candidatar à vagas, me vender!

Sou péssimo nisso e odeio esse sistema, mas essa é a música atual e precisamos dançar conforme o ritmo.

Enquanto nada efetivo acontecia, resolvi viajar mais um pouco. Páscoa na Romenia , mochilão de 1 mês entre a Alemanha , Suíça, França e Espanha .

O compacto disso tudo pode ser visto nesse vídeo:

Letônia e Lituânia  foram as próximas.

O verão chegou e com ele alguns shows, como the Rolling Stones, Queens of The Stone Age, Parov Stelar, Foo Fighters e Radiohead.

Durante essas viagens conheci pessoas maravilhosas, que muito me ensinaram, divertiram e me ajudaram, mas era hora de voltar à “realidade” (segundo alguns).

As aplicações e rejeições apareciam na mesma proporção, e junto com elas veio o desânimo por não me adequar ao sistema. Estava, eu, sendo muito exigente?

Mudei a forma, o conteúdo, até mesmo a área de atuação, mas a resposta continuava a mesma: “Obrigado por aplicar-se, mas encontramos alguém mais qualificado para a vaga. Você continua no nosso banco de dado e entraremos em contato para futuras vagas.”

Um tremendo tapa na cara, disfarçado com palavras delicadas e amenas.

Quando tudo parecia perdido, e novos projetos começavam a surgir no imaginário, recebi uma resposta da primeira organização, a qual eu havia submetido meu currículo: as Nações Unidas.

Simplesmente o que eu realmente almejava.

Uma organização com um propósito maior do que apenas o lucro.

Então de uma hora para a outra, tudo mudou novamente.

Da incerteza e frustração à alegria e expectativa de uma nova aventura.

Hoje estou nessa nova aventura, na terra dos sorrisos, também conhecida por  Tailândia, e pelos próximos meses de 2018 por aqui estarei, torcendo para que a próxima retrospectiva seja ainda melhor do que esta que você acabou de ler.

3 thoughts on “Retrospectiva 2017

  • Ana dezembro 26, 2017 at 13:46 Reply

    Que lindo 💚

  • Ana Delavigne dezembro 29, 2017 at 08:30 Reply

    Eu AMO o vídeo do mochilão pela Europa! O mais engraçado é que eu fui acompanhando várias dessas etapas, umas de longe e outras mais de perto e fui sorrindo com tua retrospectiva. Mas o final é minha parte preferida. Você não tem ideia de como fiquei feliz quando vc me contou que tinha conseguido o estágio na ONU!

    • campodegelo janeiro 2, 2018 at 01:09 Reply

      Você foi uma das coisas boas que 2017 trouxe para mim.
      Obrigado por fazer parte das coisas boas que acontecem por ai 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *